Sou a Paralisia Infantil
Ministério da Saúde | Ministério da Saúde

O Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde possui um histórico de sucesso, ajudando o país a erradicar doenças como a poliomielite, a caxumba e a rubéola, além de eliminar o sarampo.... Mas foi justamente este sucesso obtido em décadas de campanhas de vacinação eficazes que fez com que, nos últimos anos, a população relaxasse para o perigo que essas doenças representam.

Dados do Ministério da Saúde indicam que muitas pessoas deixaram de ter medo de doenças como a poliomielite por desconhecer as sequelas que ela traz, como a paralisia infantil, ou por acreditar que se tratam de doenças do passado. Junto a isso, o aumento do fluxo migratório da população (sobretudo de países onde essas doenças ainda existem) e muita desinformação causada por boatos de que as vacinas não funcionam ou trazem efeitos colaterais provocaram o que se vê hoje: um quadro de cobertura vacinal em queda e propício para a proliferação de vírus que podem voltar a fazer vítimas no país.

Por conta disso, o Ministério da Saúde está lançando uma campanha que alerta para a importância de manter sempre a vacinação em dia, e, para mostrar que a situação pode se tornar perigosa caso as coberturas vacinais não sejam mantidas, pela primeira vez o mascote das campanhas de vacinação, o Zé Gotinha, aparecerá com um tom sério e preocupado. A comunicação se desenvolve de forma impactante ao mostrar casos reais de pessoas que sofrem até hoje pela não vacinação, sob o conceito: “Porque, contra o arrependimento, não existe vacina”.

Um dos casos mais emblemáticos é o de Eliana Zagui, que tem 44 anos e há 42 anos sofre de uma paralisia severa que a obriga a viver dentro do Hospital das Clínicas de São Paulo. Eliana é tetraplégica e respira com a ajuda de aparelhos. Quando criança, não foi vacinada contra a poliomielite por estar com febre. Apesar das dificuldades, Eliana se tornou artista (pintando com a boca), já escreveu um livro e hoje faz questão de dar o seu depoimento para mostrar a importância da vacinação, para não deixar que outras pessoas sofram com a enfermidade que a privou de uma vida fora do hospital.

Outro caso retratado na campanha é o de Neuza Costa, que tem 57 anos. Quando criança, ela perdeu 5 irmãos, que morreram por consequência das complicações do sarampo, uma doença de alto grau de contágio.

A campanha entra no ar a partir do dia 11/10 e conta com 2 filmes de 60” e 30”, spots de rádio, anúncios de jornal e revista, mobiliários urbanos, painéis, DOOHs e diversas ações na internet e nas redes sociais, com o Zé Gotinha assumindo um papel de influenciador digital. Além disso, serão produzidos materiais como o calendário de vacinação para serem distribuídos para todas as unidades de saúde do Brasil. Para facilitar a busca, todo o conteúdo pode ser acessado procurando pela #FalaGotinha e encontrado na página: saude.gov.br/vacinacao.

Ficha Técnica
Pedro Jean
PLANEJAMENTO
Marina Morais
APROVAÇÃO
José Badaró
ATENDIMENTO
Mayko Chaves
MÍDIA
Fernanda Machado
PRODUÇÃO
Fabilini Sousa
MÍDIA
Cecília Crespo
MÍDIA
Bruno Lima
DIRETOR DE ARTE
Eisenhower Bonfim
APROVAÇÃO
Lira
PRODUTORA DE SOM
Marcelo Sembongi
PLANEJAMENTO
Juliana Vieira
APROVAÇÃO
Ugo Braga
APROVAÇÃO
Cláudio Leite
DIRETOR DE CRIAÇÃO
Kiko Lomba
DIREÇÃO DE FILME
Levi Narciso
APROVAÇÃO
Fernanda Duarte
ATENDIMENTO
Adriana Mercadante
ATENDIMENTO
VAPT
PRODUTORA DE FILME
Marcos Araújo
PRODUÇÃO
Nathalia Gardini
APROVAÇÃO
Cézar Martini
REDATOR
MAIS DA MESMA CAMPANHA
MAIS DE CALIA